Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT


Sobre o Estudo

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica

O presente blog é decorrente de um projecto de investigação em Multimédia em Educação do Programa Doutoral em Multimédia em Educação. Pretende-se elaborar um quadro investigativo dentro desta temática de acordo com uma proposta de investigação-acção em que será implementada a integração de ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em contexto educativo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica, na qual deverão ser utilizadas tanto as técnicas tradicionais de realização mais usuais na disciplina (papel, lápis e outros materiais/suportes) como a integração e articulação com estas das ferramentas digitais, suportadas por software livre, a Web e a Web 2.0 para suporte ao ensino e aprendizagem dos diversos conteúdos e áreas de exploração da disciplina.

Procurar-se-á fundamentar esta investigação, enquadrando-a teoricamente no contexto da didáctica e fundamentos metodológicos da disciplina de Educação Visual e Tecnológica, na utilização das TIC em contexto educativo e na integração de ferramentas digitais no currículo e, ainda, no benefício que isso poderá resultar para a diversificação das estratégias de ensino/aprendizagem, da plena aferição das ferramentas essenciais para a disciplina e da sua efectiva integração curricular e proposta de revisão programática, adequando-se o programa às ferramentas digitais e à sua plena utilização pelos docentes e alunos.

Dos temas propostos para tese de doutoramento em Multimédia em Educação, e a partir dos conhecimentos adquiridos ao longo deste programa doutoral, o que se me afigurou como mais pertinente e relevante para a área em que trabalho foi continuar, mesmo que numa perspectiva diferente, o desenvolvimento do estudo que implementei aquando da minha dissertação de mestrado, também na área do multimédia em educação. No caso, em 2002, focalizei a minha investigação num conteúdo específico da disciplina de EVT (Educação Visual e Tecnológica) – o movimento, aplicando a três diferentes formas de abordagem: só através das Tecnologias da Informação e Comunicação (utilizando um software), noutra utilizando os suportes tradicionais (em papel) e que não as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e, no último caso, a utilização conjugada dos dois suportes. Assim, para o presente projecto de investigação, continuo a pretender desenvolver um estudo que se centralize na disciplina de EVT, na integração das ferramentas digitais na sala de aula desta disciplina (sejam elas da Web, Web 2.0 ou Software Livre) e em que o enfoque seja a plena integração curricular destas ferramentas nesta disciplina específica do 2º Ciclo do Ensino Básico. Delimitada a temática para “Integração das ferramentas digitais em contexto escolar”, consegui estabelecer um ponto de referência essencial para a escolha do título do meu trabalho. O tema segundo o qual desenvolvo a minha investigação é “Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT: Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica”.

Partindo desta temática, desenvolverei um estudo baseado numa investigação-acção em contexto educativo de EVT, pretendendo saber quais as ferramentas da Web, Web 2.0 e Software Livre que se adequam a este contexto educativo e, principalmente, aquelas que podem apoiar e contribuir de forma conjugada e articulada com os recursos e tecnologias usuais da disciplina, para o ensino/aprendizagem dos diversos conteúdos e áreas de exploração do currículo da EVT. Que ferramentas adoptar para cada conteúdo/área de exploração, que vantagens, contributos e potencialidades educativas poderão ter para a aprendizagem dos alunos, em contexto educativo de Educação Visual e Tecnológica, numa perspectiva de integração efectiva dessas mesmas ferramentas digitais no currículo e programa da disciplina de EVT.

Actualmente, e desde 2007, com a implementação pelo Governo Português do Plano Tecnológico da Educação (PTE), as escolas do segundo e terceiros ciclos do ensino básico e secundário têm vindo a ser gradualmente apetrechadas de videoprojectores, quadros interactivos, computadores novos e uma rede de fibra óptica que irão permitir a toda a comunidade educativa desenvolver projectos sustentados de integração das TIC no currículo que, numa perspectiva pessoal passarão a ter uma preponderância maior na mudança de práticas lectivas e diversificação de estratégias de ensino/aprendizagem não como antes, apenas utilizando as TIC como competência transversal (DEB, 2001) mas como efectiva assumpção destas ferramentas por cada área disciplinar. Outro factor fundamental que permitirá o cada vez maior utilização das TIC é o programa e-escolas e e-professores, facultando a preços acessíveis o acesso a computadores portáteis e a banda larga móvel para utilização que, enquanto educadores deveremos “disciplinar” tentando que essas tecnologias não seja utilizadas apenas para fins lúdicos (constatação decorrente da minha prática profissional enquanto coordenador TIC) mas, essencialmente, para estimular a utilização das TIC como estratégia e ferramenta cognitiva. E é nesta aposta na modernização tecnológica da educação é de uma dimensão e importância ímpares e a todos diz respeito sem excepção. “Com a modernização tecnológica, a escola dará um salto qualitativo e abrir-se-á a várias áreas do saber. De acordo com a Resolução do Conselho de Ministros n.º 137/2007 (referente ao Plano Tecnológico da Educação), a escola será assim o centro de uma rede de projectos direccionados para o que realmente importa: aprender e ensinar mais e melhor, os professores e os alunos” (DR N.º 180 – 1.ª série, 18/09/2007).

E é neste contexto actual que as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) devem ocupar cada vez mais um lugar de grande relevo e particular destaque como contributo para o processo de ensino e aprendizagem. Contudo, deveremos, como professores e educadores, ter um certo cuidado na selecção e utilização desses recursos, não caindo no erro de os utilizar indistintamente e para qualquer situação em contexto lectivo. A sua criteriosa análise e selecção deverá ser pensada e posteriormente usada como uma mais-valia e não como um mero recurso adicional que não se revelará significativo para as aprendizagens. Neste campo, incluem-se neste estudo as ferramentas que nesta primeira década do século XXI têm surgido, decorrentes da Web e Web 2.0 e, ainda, na aposta cada vez maior no software livre. Acreditámos que, com os recursos que passarão a estar disponíveis em cada escola e na casa dos alunos, existem neste momento condições propícias para uma aprendizagem colaborativa efectiva, onde a construções de conhecimento partilhadas serão ponto-chave para não deixarmos “descarrilar este comboio”.

No presente projecto, a escolha desta temática reveste-se de particular importância no contexto em que se insere. Tratando-se da construção do saber em Multimédia em Educação, ao qual se alia a disciplina de Educação Visual e Tecnológica (EVT), verificamos que os recursos disponíveis para os professores do 2º Ciclo do Ensino Básico (CEB), baseados na Web, Web 2.0 e software livre, são já bastante abrangentes nas áreas de exploração e conteúdos da disciplina e diversificados em alguns deles. Algumas ferramentas constituem-se mesmo como verdadeiros complementos à utilização dos recursos tradicionais até agora usados nesta disciplina e, mesmo não sendo concebidos especificamente para a abordagem dos conteúdos e áreas de exploração específicos da disciplina de EVT, constituem-se como uma mais-valia. E, não nos referimos a ferramentas que podem ser utilizadas transversalmente em diversas disciplinas do currículo mas, no caso, especificamente nesta. É neste contexto, e com a exponencial evolução da Internet e da Web 2.0 que consideramos ser fundamental constituir um grupo de trabalho/investigação que possa aplicar este estudo empírico e valide quais as ferramentas digitais que podem (e devem) ser incluídas no currículo da disciplina de EVT. Uma vez que sou docente da área científica de EVT e trabalho há já alguns anos nesta área das TIC em educação, e sendo um professor de EVT que aborda regularmente a didáctica e problemática da inclusão das ferramentas digitais no currículo, torna-se esta área de grande importância para mim e, acredito, para os docentes de EVT em geral. Apesar de durante os últimos anos ter tido a oportunidade de trabalhar com diversas ferramentas digitais em EVT e em contextos educativos diversificados (nomeadamente no Ensino Básico e Superior), uma investigação sobre a utilização das ferramentas Web, Web 2.0 e software livre, acompanhada de uma introdução e/ou complemento com os outros recursos e ferramentas no seu formato original será particularmente interessante. Os resultados obtidos servirão de base para a elaboração de algumas questões pertinentes e ao levantamento de hipóteses e proposta quanto à integração efectiva de recursos e ferramentas digitais no currículo da disciplina, sendo que, não nos deveremos esquecer na proposta, também, de formação completar (e contínua) que alguns docentes deverão ter para as poder utilizar.

Essas questões serão reveladas no decorrer deste plano e colocam-se dentro da problemática de utilização das TIC em contexto educativo de EVT e, mais especificamente das ferramentas Web, Web 2.0 e software livre ao serviço e como apoio e complemento às actividades lectivas ditas mais tradicionais. Com certeza que um dos objectivos será perspectivar uma potencialização efectiva de utilização destas ferramentas digitais, incluindo-as no currículo da disciplina, contributo que considero importante na área em que se enquadra.

Para além dos bons resultados que nestes últimos treze anos de actividade docente tenho obtido com a abordagem dos conceitos inerentes à integração e utilização das ferramentas digitais em EVT, torna-se imperiosa uma nova abordagem na disciplina, utilizando os recursos que estão ao meu alcance, focalizando algumas experiências nesta área das TIC. A experiência no terreno diz-me que, numa abordagem didáctica e metodológica centrada na resolução de problemas, os alunos desta faixa etária conseguem aprendizagens significativamente mais importantes quando há uma contextualização dos conteúdos programáticos da disciplina aplicados às ferramentas digitais. A pluralidade de situações e a possível inter e pluridisciplinaridade da temática permite aos alunos uma flexibilidade cognitiva importante, preparando-os para um reforço da autonomia e aplicação dos conhecimentos adquiridos em novas situações/problemas. Este estudo permitirá, no final, aferir isso mesmo quanto à aprendizagem dos diversos conteúdos e áreas de exploração da disciplina de EVT, não só utilizando um suporte “tradicional”, mas a integração efectiva de várias ferramentas digitais. Poderemos efectivar a integração de um leque alargado de ferramentas digitais no currículo da EVT como suporte ao ensino e aprendizagem desta disciplina? E quais as ferramentas da Web, Web 2.0 e software livre que se podem integrar em contexto de EVT para a abordagem dos conteúdos e áreas de exploração desta disciplina? Quais as principais vantagens e desvantagens da integração destas ferramentas em contexto de EVT? E que posicionamento têm os alunos e professores (investigadores participantes) perante a integração sustentada destas ferramentas no seu quotidiano escolar? E que alterações curriculares e ao nível da formação de professores devem ser feitas para a integração efectiva destas ferramentas digitais em contexto de EVT?

Ficam as questões às quais tentaremos dar resposta.

Uma das finalidades deste estudo (e principal) será saber até que ponto as TIC, suportadas pela Web, Web 2.0 e software livre facilitam e promovem a aprendizagem de diversos conteúdos programáticos e área de exploração em contexto educativo de EVT.

Baseados nas seguintes questões investigativas:

– Quais as ferramentas da Web, Web 2.0 e software livre que se podem integrar em contexto de EVT para a abordagem dos conteúdos e áreas de exploração desta disciplina?

– Quais as principais vantagens e desvantagens da integração destas ferramentas em contexto de EVT?

– Que posicionamento têm os alunos e professores (investigadores participantes) perante a integração sustentada destas ferramentas no seu quotidiano escolar?

– Que alterações curriculares e ao nível da formação de professores devem ser feitas para a integração efectiva destas ferramentas digitais em contexto de EVT?

Temos como objectivos fundamentais desta investigação:

– Saber que ferramentas suportadas pela Web, Web 2.o e software livre podem integrar o currículo da disciplina de EVT;

– Reconhecer quais as principais vantagens e desvantagens da integração destas ferramentas em contexto de EVT;

– Inferir do posicionamento e posturas dos alunos perante a integração curricular das ferramentas digitais em EVT;

– Saber quais as alterações curriculares a perspectivar para a revisão curricular de EVT, para integração das ferramentas digitais: que conteúdos e áreas de exploração podem integrar ferramentas digitais e;

– Perspectivar modelos de formação de professores para colmatar lacunas na formação contínua e adequar novos modelos de ensino e aprendizagem suportados pelas ferramentas digitais.

Ficam aqui as linhas gerais do projecto. Agradeço a todos os docentes de EVT e outros visitantes deste espaço que o divulguem pois será importante a disseminação deste trabalho.

José Alberto Rodrigues

JAR


Trackbacks & Pingbacks

  1. Os números de 2010 do EVTdigital « Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT pingbacked em 6 years, 7 months ago

Comentários

  1. * Artur says:

    Gostaria de dar os parabéns pelo trabalho que desenvolve e pela sua iniciativa. O potencial das TI como ferramenta expressiva e criativa é enorme e como professores de EVT creio que temos o dever de as explorar, em particular neste momento em que as condições materiais começam a melhorar. O desafio é grande e estimulante!

    Pessoalmente, trabalho na integração de animação e modelação 3D e realidade virtual: http://intergalacticrobotdois.blogspot.com/ e http://pequenosartistas.deviantart.com/

    | Responder Publicado 7 years, 7 months ago
    • * jarodrigues says:

      Colega Artur,
      Agradeço imenso o seu contributo. Realmente, no contexto actual, apenas necessitamos de professores atentos e com vontade de explorar estas ferramentas em contexto educativo. Naturalmente que a exploração, pela diversidade e multiplicidade de suportes é fundamental. Aliar as TIC aos suportes “tradicionais” na EVT, nas Arte e Tecnologia é a mais-valia.
      Vá continuando a visitar este blog pois nos próximos meses iremos divulgar muitas dezenas de ferramentas digitais e respectivos manuais.
      Aproveitei para passar nos seus espaços (blog e deviantart) e dou-lhe os parabéns pelo trabalho que desenvolve.
      É verdade: já agora, não quer pôr as suas máquina 3D a trabalhar?
      De uma vista de olhos a este software que já está divulgado no meu blog – chama-se Golems e permite criar objectos 3D e animações, criando-se mecanismos muito interessantes.
      Vale a pena.
      Vá passando por cá e dando feedback.
      JAR

      | Responder Publicado 7 years, 7 months ago
      • * Artur says:

        na verdade já “trabalham”… o passo agora é aplicá-las em realidade virtual não imersiva. belíssima dica de software!

        Publicado 7 years, 7 months ago
      • * jarodrigues says:

        Olá Artur, bom dia.
        E a aplicação é o que, por sinal, os miúdos adoram! Posso dar-lhe mais uma boa dica de software que não sei se conhece. O mesmo não é muito conhecido (aliás, é muito pouco conhecido). É livre e chama-se Art of illusion. Pode ver aqui: http://www.artofillusion.org/index Para além do mais, é excelente para trabalhar conceitos de geometria.
        Mas como deve saber,… ainda há bastantes na área do 3D. Resta-nos depois, durante a aplicação do estudo, descobrir quais os que se aplicam melhor e a que contextos.

        Publicado 7 years, 7 months ago
  2. * Artur says:

    ps: reparei que tem uma secção ligada ao 3d. se quiser alguma ajuda com aplicações, videos e tutoriais disponibilizo-me.

    | Responder Publicado 7 years, 7 months ago
    • * jarodrigues says:

      Bom dia Artur,
      Sim, temos uma ligação para depois incluirmos softwares e ferramentas 3D. Gostava muito de poder contar com a sua colaboração para a criação de guias/manuais e posterior aplicação em contexto de EVT.
      Entretanto vou já enviar-lhe um e-mail pessoal para estabelecermos contacto mais próximo.
      Mais uma boa dica que não sei sequer se conhece. Como vi no seu blog um post sobre o LEGO, sabia que a LEGO tem um software gratuito chamado Lego Digital Designer? É excelente!

      | Responder Publicado 7 years, 7 months ago
      • * Artur says:

        Conheço o Art Of Illusion, mas não o utilizo, não por demérito da aplicação mas por ter seleccionado um conjunto de outras aplicações. O Lego Digital Designer é muito interessante, mas… é auto-centrado, não exporta para formatos comuns (como o wrl, obj ou 3ds), o que implica que um objecto lá criado não possa ser transportado/transformado noutra aplicação 3d.

        Agora uma dica que espero ser interessante: o (já velhote) Avatar Studio é uma aplicação que permite criar avatares 3D para aplicação em espaços virtuais. Cria ficheiros vrml e, com modificações que ainda não experimentei, consegue incorporar código de ficheiros bvh (motion capture) nos movimentos animados. Com ele, trabalhamos as proporções (do rosto e do corpo), textura, luz/cor, e movimento. É muito intuitivo e fácil de trabalhar.

        Pode ser encontrad aqui http://www.4shared.com/file/148564270/68114523/AvatarStudio20.html? ou aqui http://www.web3d-fr.com/Avatars/AvatarStudio/Download.php e necessita de um player vrml: http://www.bitmanagement.com/en/products/interactive-3d-clients/bs-contact ou http://www.vivaty.com/

        Publicado 7 years, 7 months ago
      • * jarodrigues says:

        Obrigado pelas dicas Artur 😉
        O Avatar Studio conhecia e era uma das aplicações a listar.
        Vamos explorar. Sendo gratuito e/ou livre e se der para aplicar em EVT, óptimo.

        Publicado 7 years, 7 months ago
  3. * António Procópio says:

    Olá. Sou Professor de EVT na Escola EB23 Professor Lindley Cintra em Lisboa. Sou Coordenador do plano Tecnológico e utilizo os recursos das TIC na disciplina há vários anos. Curiosamente foi através do Cinema de Animação que começei a dar mais atenção Às TIC. O Cinema de Animação é uma das minhas paixões. Actualmente estou a Tirar o Mestrado ( As TIC e as Ciências da Educação )no Instituto de Educação de Lisboa. Foi uma surpresa muito agradável quando descobro no TICEduca 2010 o seu artigo que coloca as questões que eu me tenho vindo a colocar(Na minha escola e principalmente, no meu departamento, sinto-me um pouco isolado em relação a este assunto). Estive presente na sua apresentação no TicEduca (provavelmente o único professor de EVT presente) e só não fiz nenhum comentário porque o tempo não chegaria para todas as questões que tinha na cabeça. Acho que o trabalho que está a fazer é extraórdinário. Deixo aqui um dos meus blogues sobre cinema e cinema de animação que este ano se transformou em clube:
    http://synopseis.blogspot.com/
    Terei todo o gosto de colaborar convosco e integrar uma possível comunidade.
    A nossa disciplina precisa de ganhar outra dimensão e penso ser este o caminho certo

    até breve
    António Procópio

    | Responder Publicado 6 years, 9 months ago
    • * jarodrigues says:

      Olá António,
      Antes de mais, o meu obrigado por assistir à minha apresentação no ticEDUCA2010. Espero que tenha gostado e, compreendo perfeitamente o constrangimento de apenas 10 minutos para apresentar e apenas 5 ou 10 para comentários. Sinceramente, também prefiro ter uma abordagem diferente, mais próxima das pessoas, mais informal… de circular pela sala e provocar mas, compreende-se que assim tivesse que ser.
      No entanto, gostava de poder ter falado consigo no final da sessão. Foi pena. É que realmente nestes eventos das TIC na Educação é raro aparecer colegas das área da EVT, EV ou das Artes. São oportunidades quando isso acontece, o que é raro.
      Por azar havia uma comunicação sobre as TIC na Expressão Plástica no 1ºCEB mas à mesma hora da minha, infelizmente.
      De qualquer forma, certamente o António será mais um a trabalhar as TIC em EVT. Também temos mais uma colega em Aveiro, no programa doutoral em Multimédia em Educação, a Marta Pinto, que é de EVT. Para o ano que vem iniciará a tese.
      O Artur Coelho, um colega aí de Lisboa também de EVT colabora comigo no EVTdigital. O trabalho que ele desenvolveu no mestrado foi os programas 3D em EVT.
      Bem… mas este comentário já vai longo.
      Quanto ao seu blog, não foi surpresa. Eu já o conhecia. Porquê? Sabia que para além de desenvolver este meu estudo de doutoramento também sou Presidente da APEVT e Director do Centro de Formação da APEVT e, mais importante para si, sou membro da Comissão Organizadora do CINANIMA – Festival Internacional de Cinema de Animação de Espinho? Pois é verdade. Por isso, de vez em quando vou pesquisando e analisando os vários espaços que existem pela web sobre Cinema de Animação. Coincidência, também uma grande paixão minha. Aliás, posso dizer-lhe, foi parte do meu tema central na dissertação de mestrado em Multimédia em Educação, intitulada “Brinquedos Ópticos e Animatrope em contexto de EVT”. Para ter acesso integral a ela (pode vir a ser-lhe útil) basta aceder aqui: http://biblioteca.sinbad.ua.pt/Teses/2007000169 e depois carregar em cima da capa para ter acesso ao menu com as várias partes da mesma.
      Aliás, posso mesmo confessar-lhe que se fosse hoje optaria apenas por trabalhar ferramentas digitais para animação de imagens – cinema de animação. Apesar de estar contente pelo meu trabalho e contributo, deve imaginar o cansaço acumulado, isto considerando que só neste ano lectivo estou como Equiparado a Bolseiro.
      Bem, este comentário vai mesmo longo.
      Deixo-lhe só mais uma nota: dias 11, 12 e 13 de Maio de 2011 a APEVT da Madeira vai realizar o encontro regional no Funchal. Eu irei orientar um Workshop que será focalizado apenas na exploração das ferramentas digitais para Cinema de Animação. Esse Workshop vai-se realizar no dia 11, uma quarta-feira. Sei que poderá ser complicado mas… seria uma oportunidade. Inclusive até pelos preços incrivelmente baixos que se conseguem, especialmente de Lisboa por existir a concorrência da EasyJet à TAP.
      A divulgação do evento será feita aqui: http://projectos.madeira-edu.pt/apevtmadeira/In%C3%ADcio/tabid/301/Default.aspx
      Estou ao dispor do que necessitar e até conversarmos sobre as nossas afinidades. Afinal, na nossa área e nas TIC somos mesmo muito poucos.
      Grato pelo seu contributo e testemunho.
      Já sabe os meus contactos. Estou ao dispor.
      Abraço.
      JAR

      | Responder Publicado 6 years, 9 months ago


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: